quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Navegar (repostagem)

Lutar contra a corrente é mau aviso.
Entregar-se à mercê dela também é.
Naveguemos. Navegar sempre é preciso.
Naveguemos com coragem e com fé.

Mar Noturno - Óleo por Denise
     Há certas frases e expressões que, mesmo sendo concisas, carregam riquezas inesgotáveis. A origem da maioria delas se perde nas brumas da história de cada língua viva, mas de algumas é possível encontrar o registro de nascimento.
     Em 1325, Afonso IV assumiu o trono em Portugal e iniciou um intenso intercâmbio comercial com Florença. Como subproduto, a cultura toscana passou a ter grande - e duradoura - influência em Portugal. PETRARCA chegou a ser "clonado", duzentos anos depois, pelo próprio Camões - senão, vejamos:
     Petrarca:
Questa anima gentil che si diparte,
Anzi tempo chiamata a l'altra vita...
     (Esta alma gentil que agora parte,
     Chamada antes do tempo à outra vida...)

     Camões:
Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida, descontente...

     Pois foi também Petrarca que cunhou a bela frase (muitas vezes atribuída a Fernando Pessoa): "NAVEGAR É PRECISO; VIVER NÃO É PRECISO". Vejamos algumas acepções que ilustram a riqueza dessa frase:
     Acepção original, de Petrarca: "A navegação é uma ciência exata (precisa); a vida, não."
     Acepção de Fernando Pessoa, celebrando as grandes navegações portuguesas: "É necessário navegar; não é necessário viver."
     Há inúmeros outros contextos que utilizam essa frase, completa ou pela metade. E eu peço ao leitor licença para apresentar minha própria interpretação: "Navegar é preciso; viver é navegar."
     O texto que se segue é uma transcrição revisada da matéria publicada no "Sete Ramos de Oliveira", em 18 de janeiro de 2010.  O significado de "preciso" deixo a critério do leitor.
*   *   *   *   *
     Navegar é preciso. Remar contra a corrente nada resolve, e abandonar-se a ela pode ser pior. É preciso navegar.
     Navegar é conhecer as correntes e redemoinhos, as pedras e arrecifes, o vento e as marés, a enseada segura e a praia traiçoeira. É escolher um destino alcançável e planejar a rota em cada trecho. É estar preparado para o tufão imprevisto e saber contornar obstáculos intransponíveis. É saber usar o mapa e a bússola, o sextante, a barquilha e o cronômetro. É bordejar no vento contrário e abrir as velas à brisa favorável. Navegar, em suma, é saber chegar a salvo ao porto escolhido, mesmo sem o auxílio do GPS.
     Navegar pela vida não é diferente. Aprendemos desde a mais tenra infância a distinguir o alcançável do inalcançável, e como chegar aos objetivos mais tentadores. Conforme crescemos, nossos pais nos mostram os redemoinhos e escolhos da vida e nossos mestres nos fornecem os instrumentos de navegação - que mais não são que a educação formal que recebemos. E nós vamos nos aperfeiçoando na arte de navegar pela vida, começando pelas pequenas rotas lacustres e fluviais, e as linhas costeiras, onde os menos ambiciosos se acomodam, enquanto os aventureiros prosseguem até chegar à navegação de cabotagem e finalmente às travessias de longo curso.
     Mas nem todos têm a fortuna de nascer com o talento de um Torben Grael, e podemos vislumbrar muitas vezes um navegante solitário lutando contra a corrente ou dando voltas em um redemoinho. E nem sempre podemos socorrê-lo.
     Pois não podemos descansar em cada porto mais que o necessário para recuperar as forças, costurar as velas e reabastecer o navio. Sempre haverá uma próxima derrota* a ser planejada e vencida.
     Enquanto pudermos navegar.

     (*) Derrota: termo náutico. Curso, rota.


*   *   *   *   *

Niterói, dezembro de 2012
Rodolfo Barcellos

11 comentários:

  1. Boa noite meu maracujá de gaveta !!!!!
    Dezembro é o mês de confraternização Agradecimento pela vida Bênçãos ao filho de DEUS União, amor, reflexão! Que o bom velhinho traga um saco cheiinho de paz, harmonia, fraternidade Que o gesto de ternura se estenda de várias mãos Que ao som dos sinos O amor exploda em toda direção! FELIZ NATAL!

    ResponderExcluir
  2. Ah, mas não é possível parar nem um bocadinho de tempo pra descansar à beira mar, enquanto se imagina o quanto deve ser preciso navegar até tocar o horizonte?

    Beijos, meu querido comandante.
    Naveguemos!

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o termo náutico derrota. Estou pensando seriamente nessa nova (para mim) significação. Sempre aprendendo com vc.
    Beijuuss

    ResponderExcluir
  4. As informações sobre PETRARCA, contidas em sua postagem, eram desconhecidas para mim. Não imaginava que Camões pudesse ter-se baseado em colocações de outro, ao escrever esses versos. Vejo que a "clonagem" mencionada já era usual muitos séculos antes do nosso.
    Gostei do "Navegar é preciso; viver é navegar". Estamos todos nessa viagem e sabemos que acautelarmo-nos faz parte da sobrevivência, independente de ser ela imprecisa.
    Bela a tela da Denise!
    Grande beijo!

    ResponderExcluir

  5. Olá Barcellos,

    O bolero de Ravel tirou minha concentração na leitura do texto, pois amo este bolero.
    Esperei que ele acabasse de tocar para reler e fiquei surpreendida com as informações sobre Petrarca e Camões. Saio daqui mais rica em conhecimento.
    Sua tese pareceu-me bem lógica e coerente, embora muitos não sejam tão bem preparados
    para navegarem pela vida com precisão.

    E olha você chegando aqui (vou já conferir). Vi o aviso neste momento.

    Linda a tela.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Saio daqui aprendendo mais um pouco. Valeu! Muito legal sempre! abraços,chica

    ResponderExcluir
  7. Ola amigo,enriqueci minha cultura sobre Petrarca e Camões aqui e agora.Navegar é preciso;Viver é navegar,é a mais sábia das interpretações.Beijus.. SU.

    ResponderExcluir
  8. Me disseram outra vez sobre o amor, que é assim, navegar.
    Os dois, cada um em seu barco. Talvez seja. Ou sejam os dois no mesmo barco, um a tomar conta das velas, outro a direcioná-lo, os dois para ancorar, quando preciso. E a cada pausa, mais do que observar se tudo está em ordem, apreciar a paisagem, enquanto se ama.
    Nós, individualmente, também precisamos navegar, às vezes contra a correnteza sim, outras no mesmo sentido; a nossa alma sabe do que precisamos.
    E você, meu amigo, sempre sabe como nos fazer um bem danado com as suas postagens. Nos enriqueces a cada uma delas.

    Beijos, de uma eterna navegante,
    Débora.

    ResponderExcluir
  9. Querido amigo,

    O céu se iluminou,
    a estrela apareceu,
    os anjos entoaram louvores,
    nasceu o filho de Deus.

    Numa gruta em Belém,
    veio ao mundo o Salvador,
    trazendo em suas mãozinhas,
    verdade, paz e amor.

    Seu bercinho foi uma
    manjedoura,
    pobrezinha e frugal,
    que as bençãos do Deus menino
    se renovem neste Natal.

    Desejo a você e a todos aqueles que mais ama, um
    lindo e abençoado Feliz Natal. Beijocas

    ResponderExcluir
  10. OI R. R. BARCELOS!
    UMA BOA AULA PARA QUEM NÃO SABIA SOBRE PETRARCA( EU POR EXEMPLO)
    " NAVEGAR É PRECISO E VIVER É NAVEGAR" PARA MIM TEM MAIS SENTIDO ASSIM.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/ClickAQUI

    ResponderExcluir
  11. Pertinente postagem, querido amigo.
    Petrarca foi um marco incontornável e imitadíssimo na literatua sobretudo europeia.
    Foi ele que fez com que a natureza fosse lida segundo o nosso estado de alma e não o contrário...
    Daqui à escola româtica foi um passo. E Camões claro que foi influenciado por ele e os proprios Lusíadas foram escritos segundo A Iliada e Odisseia de Homero.

    E navegar é preciso mesmo contra as correntes, se podermos.
    A vida é uma contínua apredizagem na arte de navegar.

    E aquele "já não sou quem era..." é a neve que vai caindo nos cabelos perdendo a cor de outrora... Porque no resto, penso que somos muito mais do que fomos!
    Muito obrigada pela sua partilha, sua experiêcia e sabedoria são fantásticas1
    Abraço amigo

    ResponderExcluir