quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Milene, Milene, Milene



- Prometi à minha amiga Milene mandar-lhe uns versinhos em muletinhas, como presente de aniversário. E aqui estão eles, Pétala... acho que combinam bem com você.
video

-  Ah, e se é por falta de placas, não mais seja por isso.

-  Para os políticos...
 
- Milene é o nome dela,
- Inspetora outra vez;
- Lá do alto da janela
- Enxerga zoom dezesseis;
- Na briga contra a panela,
- Está de olho em vocês...





-  Para os indiferentes...


- Militante de carteira,
- Indignada muletante,
- Lutando contra a cegueira
- E a indiferença gritante
- No banco, ônibus, feira
- E no shopping deslizante...






 

-  Para os amigos...

- Mimi, mimada, mimosa,
- Inquieta, porém feliz.
- Linda pétala de rosa,
- Está marcando outro xis
- Nesta data gloriosa,
- Em anos primaveris.




Feliz aniversário, moça...

Sassevasá

- Milene, fiquei te devendo uns versinhos capengas. Aí vão eles:

Eu ando preocupado
Com seu príncipe embutido,
Esse batráquio assanhado,
Seu namorado enrustido.

Não pense que é ciúme,
Não seja tão convencida;
É o cuidado de costume
Por uma amiga querida.

Eu sou bruxo e não me esqueço
De uma importante minúcia:
O feitiço é pelo avesso
Com bichinhos de pelúcia.

Seja, pois, inteligente;
Não beije o sapo sapeca,
Que em vez dele virar gente,
Você vira perereca.

- Feliz aniversário, moça! Beijos, abraços e tudo de bom!
- PS: se por acidente você virar perereca, beije de novo o sapão, mentalizando a fórmula mágica "sassevasá " (às avessas, às avessas). Pelo que eu me lembro, isso deve funcionar.

domingo, 26 de setembro de 2010

Guernica


- ¡Caliente es la sangre de tus hijos, España! Calientes son los colores de tu bandera!
- Espanha! Espanha que viu nascer o gênio de um Cervantes e a intolerância de um Torquemada!
Espanha que suscitou um conquistador implacável como Cortez e um artista como Picasso!
- Dizem que o sangue latino é mais quente que o de outros povos... e que, entre os latinos, o espanhol é o mais fervente.
- É lá que brotam ritmos frenéticos, marcados pelo estalar de castanholas e por batidas de saltos, onde dançarinos garbosos disputam com dançarinas sensuais a primazia em gestos de sedução...
- Não é de admirar. O povo que ficou vários séculos sob o jugo árabe, e depois mais alguns submetido ao poder de um catolicismo radical, tinha que ter um sangue mais aquecido do que o normal. O país que nasceu de uma mistura explosiva de povos inquietos, de crenças e costumes conflitantes, com fronteiras nebulosas e instáveis, tinha que eleger, como símbolo de sua cultura, a plaza de toros - o palco onde homens e bestas se enfrentam em duelo mortal, ao qual não pode faltar o derramamento de sangue.
- Em que outro país do mundo um ditador preservou ciosamente o poder, com o intuito declarado de devolvê-lo a uma monarquia, por ele mesmo restaurada?
- A guerra civil espanhola, que levou a essa ditadura sui generis, teve como subproduto dos mais perversos o servir como palco de ensaio para as forças que se enfrentariam na Segunda Guerra Mundial. E o episódio que marcou essa pré-estréia aconteceu num vilarejo do país basco, sem qualquer importância estratégica. Seu nome: Guernica.

- Relata J. R. Gomes da Cruz:
"...a data do triste acontecimento foi 26 de abril de 1937. Aquela segunda-feira – um dia de feira com aglomeração de gente, da cidade e do campo, para intenso comércio – foi deliberadamente escolhida pela Luftwaffe (...) para causar maior número de vítimas, ou seja, terror mesmo."
- O bombardeio foi implacável. Corpos despedaçados de homens,mulheres, crianças e animais espalhavam-se pelas ruas da aldeia. O desespero reinava entre os sobreviventes, muitos deles mutilados.

- Tempos depois vinha à luz o imenso painel de Picasso.

- Steven A. Nash, sobre a obra: “Não, a pintura não é feita para a decoração de apartamentos. Ela é um instrumento de guerra ofensivo e defensivo contra o inimigo”.
- Conta-se que o genial pintor se achava fora da França no início dos anos 40, quando o país foi ocupado. Resolveu voltar e pintar seus quadros. Saíram, então, aqueles rostos de mulheres em
desespero. O general nazista da ocupação mandou chamá-lo e perguntou-lhe, mostrando alguns
desses quadros:
– “Foi o senhor que fez isso?
– Não, respondeu, prontamente, Pablo Picasso, acrescentando: foi o senhor.”

Fonte:

http://www.revistajuridicaunicoc.com.br/midia/arquivos/ArquivoID_54.pdf

sábado, 18 de setembro de 2010

O Noé da Suméria

- A escrita cuneiforme, herdada da Suméria por babilônios e assírios, tem uma característica única: cada tabuinha de barro, uma vez gravada e recozida, pode ser exatamente copiada, inúmeras vezes, através de um molde feito a partir do original. É a mais antiga "xerox" que se conhece, e também precedeu Gutemberg por mais de três mil anos.
- Por volta de 640 A. C. Assurbanipal mandou fazer cópias de todo o acervo espalhado pelos templos e coleções particulares da Assíria e da Babilônia, e fundou a maior biblioteca de sua época. Essa biblioteca, descoberta por Henry Layard em 1846, nas escavações em Nínive, e explorada por seu assistente Hormuzd Rassam, continha entre outras maravilhas a Epopéia de Gilgamés - que já era antiquíssima na época de Nínive.
- Gilgamés era um semideus que se tornara poderoso, e contra ele os deuses mandaram Enkidu, para matá-lo. Mas os dois heróis se tornaram amigos, e quando Enkidu adoeceu e morreu, Gilgamés partiu em busca do segredo da imortalidade. Nessa busca, encontrou Ut-Napistim, o pai da humanidade, que lhe narrou a história de seu maravilhoso salvamento: o deus Ea (ou Enki) apareceu-lhe em sonhos e disse-lhe que construísse um navio, pois os deuses, desgostosos com a humanidade, tinham resolvido aniquilá-la.
- Passemos a palavra ao assiriólogo George Smith, tradutor da Epopéia: assim ele interpreta uma passagem épica dessa obra-prima - a narração de Ut-Napistim:


Tomei comigo tudo o que eu tinha, toda a colheita da minha vida...
Carreguei no navio; a família e todos os parentes,
Os animais do campo, o gado dos prados e gente de ofício,
tudo embarquei.
Entrei no navio e fechei a porta...

Quando raiou a aurora,
Uma nuvem negra se formou ao longo do horizonte...
De súbito, a luz do dia se transformou em noite,
O irmão não vê mais o irmão,
A população do céu não pôde mais reconhecer-se.
Os deuses encheram-se de pavor perante a enchente, 
E fugiram e ascenderam ao céu de Anu,
Os deuses agacharam-se como cães contra a parede e ficaram imóveis...

Durante sete dias e sete noites
A tempestade e a enchente subiram e o furacão reinou sobre a terra.
Quando rompeu o sétimo dia, a tempestade amainou,
A enchente, antes raivosa como exército em luta, 
Aplanou, as ondas baixaram, o vento cessou e a enchente não subiu mais.

Espreitei para a água, estava mudo o seu fragor
Toda a humanidade fora transformada em lama!
O lodaçal chegava até a altura dos tetos!...
Olhei para a terra, para o horizonte do mar,
Longe, muito longe, surgiu uma ilha.
O navio vogou até o Monte Nissir,
No Monte Nissir ele parou e ficou imóvel como ancorado...

Quando despontou o sétimo dia,
Enviei uma pomba, soltei-a,
Ela voou e voltou, a minha pomba,
Porque não encontrou lugar onde pousar, ela voltou.
Enviei uma andorinha, soltei-a,
Ela voou e voltou, a minha andorinha,
Porque não encontrou lugar para pousar, ela voltou.
Mandei um corvo, soltei-o,
Ele voou, o corvo, viu que o espelho de água baixava;
Ele come, ele voa em roda, crocita e não volta mais. 


- Fonte: C. W. Ceram, Deuses, Túmulos e Sábios
- Melhoramentos, 1992
- A narrativa bíblica do dilúvio, dizem os estudiosos, é uma recompilação tardia da epopéia sumeriana... será?

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O Mapa da Mina

- Os amigos que vêm acompanhando os Sete Ramos há algum tempo já sabem, mas os mais recentes talvez não saibam ainda: na aba esquerda do blog, logo abaixo do meu perfil ("Quem sou eu"), há links para algumas obras minhas. São arquivos no formato PDF (Adobe Acrobat), que estão à disposição dos amigos para download.
- "Ego in verso" é um apanhado de poesias publicadas neste blog.
- "Homo Mirabilis" é recente: é uma seleção dos demais posts dos Sete Ramos, organizados por temas.
- "O Outro Nome da Rosa" é uma pequena história de amor.
- "Os Sete Ramos de Oliveira" é o conto que deu nome a este blog. Narra as aventuras de sete primos em busca do legado de seu avô.
 - "Projeto Hades" é um conto de ficção científica, ambientado em Marte, no próximo século.
- Como um bom pai coruja, eu gosto de todos e vez por outra eu os reviso e atualizo. E "Homo Mirabilis" está de roupa nova. Mas todos estão prontos para receber sua visita.
- Aliás, tomei a liberdade de incluir em algumas obras, à guisa de prefácio, as opiniões elogiosas com que o Jair e o Leonel as receberam, em comentários ou e-mails. Obrigado a ambos.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Elegia por Hod

- A Graça anda tendo problemas com seus Botões de Madrepérola, e visitou-me recentemente para avisar-me que um outro blog - o Carpe Diem, do Hod - perdeu seu comandante.
- Nesse breve intervalo em que nossos blogs se cruzaram, pouco contato tive com o Hod - apenas na leitura de seus comentários nos Botões, que me convenceram da beleza de sua poesia.
- Quis compor em sua homenagem uma Elegia, mas tive que aceitar a co-autoria com um grande Mestre, que decerto o recebeu com todas as honras.
-
ELEGIA POR HOD
-
Menos dores para ele,
Mais saudades para o mundo;
Menos risos sobre as faces, 
Mais lembranças lá no fundo...

Menos versos na janela,
Mais um poeta com Deus;
Menos uma flor na Terra,
Mais uma estrela nos Céus...

Virão talvez do céu estrofes loucas,
Rimas soltas, metro livre, frases nuas...
Lamentos, risos, lágrimas e cantos,
Dançando ao vento das memórias tuas.

Se lá no assento etéreo onde subiste
Memória desta vida se consente, *
Relembra, amigo, tua amiga gente
Que por amar-te anda hoje tão triste.

* Os versos em itálico são de Camões.


- Para conhecer parte do legado do Hod, vá em
http://carpediem-hod.blogspot.com/

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Bodas de Pérola

- No início de agosto, publiquei uma matéria sobre as superstições e crendices associadas à sexta-feira 13. Entre os comentários recebidos, o de uma assídua leitora e amiga deixou escapar que estaria comemorando suas bodas em 13 de setembro. E em homenagem ao evento, resolvi enfeitar com alguns versos a bela imagem (duplicada e editada) de uma nau, por ela bordada (ela deixa escapar muita coisa bonita em seu blog). E com a sua permissão, quero homenegear com ela todos os casais que estão completando ou já completaram trinta anos de descobertas.




Trinta anos navegando
Lado a lado, efrentando
Tempestades, furacões,
Invernos gélidos, rudes, 
E causticantes verões,

Vencendo contrários ventos,
Varando estreitos passos,
Arrecifes bordejando,
Arribando a calmos portos,
Ignotos cabos dobrando...

Se rajada traiçoeira
Insiste em os separar,
Os timoneiros, serenos,
Já rizam pano redondo
Para não se desviar.

Na noite tranquila e bela,
Somente uma estrela os guia;
Límpida, rútil, brilhante,
Nascida de alma radiante
E de um peito que confia.

Leme, timão, malaguetas,
Astrolábio e barquilha,
Bitácula, mapa e compasso,
Rumo certo, passo a passo,
Vogando de ilha a ilha.

Parabéns aos navegantes
Que as Pérolas já acharam.
Que empós venham Corais,
Esmeraldas, Rubis, Ouros
E tantos, tantos tesouros...

Virão, sim, os Diamantes,
Platinas e muito mais;
Pois Deus abençoa os barcos
Tripulados por amantes,
Navegados por casais.

Parabéns, Amélia... parabéns aos dois!
E parabéns a todos os casais que já alcançaram ou estão alcançando a Ilha das Pérolas!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Elo Perdido

- A Ciência ainda não achou o elo entre o Homo Sapiens e o Homo Politicus. Há quem defenda a tese de que este elo é o H. Candidatus, mas parece que este é apenas o estágio larval do H. Politicus.
- O Homo Politicus tem como sub-espécie mais abundante o H. Politicus Pragmaticus. Existem
também o H. Politicus Honestus e o H. Politicus Idealistae, mas ambas as variedades estão
seriamente ameaçadas de extinção.
- O fato é que o H. Politicus Pragmaticus apresenta fortes indícios de hibridismo, o que evidencia ascendência múltipla: é um mamífero lactente perene, sempre mamando nas tetas da nação; é peçonhento, destilando continuamente o veneno da intriga; é predador e rapineiro por excelência, sobretudo na disputa pelo alimento de outros. É também gregário, vivendo em bandos, denominados “partidos políticos”, onde ocorre intensa luta pela liderança. Os derrotados mudam de bando de acordo com seus interesses de poder.
- Todos alimentam-se do sangue do hospedeiro, mas
as variedades Honestus e Idealistae produzem em troca elementos favoráveis ao crescimento deste; podem, portanto, ser considerados simbiontes úteis.
- Já o H. P. Pragmaticus é indiscutivelmente um parasita do corpo vivo que o hospeda, alternando fases de sanguessuga com etapas de mimetismo e enquistação, quando se sente ameaçado. Chama-se a essas etapas, tecnicamente, "Renunciar ao cargo".
- Sua face é constituída de material vegetal lenhoso de extrema dureza (“cara-de-pau”).
- A infestação por H. P. Pragmaticus é muito comum e de difícil erradicação. Seus sintomas são fome, desemprego, analfabetismo, corrupção etc. A infestação evolui facilmente para uma situação de epidemia. A única medida profilática de alguma eficácia é a vacina de nome "Voto".
- Há fortes indícios de que, no Brasil, estamos às vésperas de uma pandemia particularmente virulenta. Portanto, não se esqueça de se vacinar!

- E, se possível, evite votar em um Homo Politicus Pragmaticus...

Nota: Este texto é uma adaptação resumida do que se lê em
http://www.algbr.hpg.com.br/homo_politicus.htm

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

7 de Setembro

Bandeira do Primeiro Império. Inspiração maçônica?
 - A influência da maçonaria na Independência do Brasil não é muito clara, mas é indiscutível.
- Em 17 de julho de 1822, Gonçalves Ledo organizou as lojas do Grande Oriente no Brasil e ofereceu o cargo de grão-mestre a José Bonifácio, principal conselheiro de D. Pedro. Dois dias depois, o príncipe escrevia a seu pai:
- “O Brasil, senhor, ama a Vossa Majestade, reconhecendo-o... como seu rei; mas quanto às Cortes... hoje não só as abomina e detesta, mas não lhes obedece, nem lhes obedecerá mais, nem eu consentiria em tal...”
- Em 1º de agosto, Dom Pedro assinou um “Manifesto aos Brasileiros” e um decreto tomando providências para a defesa militar e a vigilância dos portos brasileiros.
- Na visão dos adeptos da maçonaria, esse "Manifesto", como proclamação da independência, é muito mais claro e poderoso que o Grito do Ipiranga, e tem um valor legal e oficial que o evento do riacho não possui.  Sobre a autoria, o Barão do Rio Branco escreveu:
- “Foi Ledo [...] quem redigiu o manifesto de 1º de agosto de 1822, dirigido por Dom Pedro aos brasileiros.”
- No “Manifesto de Sua Alteza Real aos Povos deste Reino”, o príncipe regente proclama:
- "... eu agora já vejo reunido todo o Brasil em torno de mim, pedindo-me a defesa dos seus direitos e a manutenção da sua Liberdade e Independência. [...] Está dado o grande passo da vossa independência [...]. Já sois um povo soberano; já entrastes na grande sociedade das nações independentes, a que tínheis todo o direito."
- E anuncia diplomaticamente a intenção de manter laços com Portugal, mas sem abdicar de uma autonomia completa:
- “Mandei convocar a Assembléia do Brasil, a fim de cimentar a Independência Política desse Reino, sem romper contudo os laços da Fraternidade Portuguesa; harmonizando-se com decoro e justiça todo o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, e conservando-se debaixo do mesmo Chefe  duas Famílias, separadas por imensos mares, que só podem viver reunidas pelos laços da igualdade de direitos, e recíprocos interesses.”
- Cinco dias depois dessa declaração formal de independência, dirigida “Aos Povos do Reino do Brasil”, um outro manifesto declara formalmente a independência, agora perante a comunidade internacional. O prólogo do documento é firme:
- “Sucinta e Verdadeira Exposição dos Fatos que Levaram o Príncipe, Agora Imperador, e o Povo Brasileiro a Proclamar o Brasil Como uma Nação Livre e Independente”
- O Manifesto propriamente dito, dirigido “A Todos os Governos e às Nações Amigas”, proclama "a todo o Mundo a sua Independência Política;  e, como um Reino e uma Nação independente está resolvido a manter esse direito...”
- Dom Pedro prossegue:
- “... Eu, com o conselho dos Representantes populares, e na presença e sob a proteção de Deus Todo-Poderoso, Declaro e proclamo que o Brasil é uma Nação Livre e Independente, e que o Governo Estabelecido é em todos os atos um Governo Independente e Soberano. E a todas as nações amigas Eu declaro que os portos do Brasil estão livres e abertos ao Comércio...”
- O Grito do Ipiranga, em setembro, seria apenas uma ratificação da Declaração da Independência feita mais de um mês antes. Foi mais um anúncio, feito pelo príncipe perante sua própria  guarda pessoal e comitiva, de que o caminho escolhido seria trilhado até o fim.
- No dia seguinte ao Manifesto de Primeiro de Agosto,  Dom Pedro parece ter sido iniciado na maçonaria, mas não há consenso, entre os historiadores maçônicos,  sobre a data exata.

- O fato é que, três dias depois do Manifesto, ele foi elevado ao grau de mestre maçom. Em 7 de setembro, ocorreu o Grito do Ipiranga. Em 9 de setembro, em reunião no Grande Oriente do Brasil, Dom Pedro foi reconhecido pela maçonaria como Imperador.
- Os acontecimentos se precipitaram. Em 18 de setembro ele escreveu a Dom João VI anunciando que o Brasil não obedeceria mais às Cortes portuguesas. Em 12 de outubro foi aclamado publicamente como Imperador.
- Mas o acordo entre José Bonifácio e os maçons, que era frágil de ambos os lados, se desfez. A maçonaria havia exigido de Dom Pedro três papéis assinados em branco e o juramento prévio da futura Constituição, fosse qual fosse o seu texto. Dom Pedro, de formação absolutista, respondeu em 25 de outubro fechando o Grande Oriente do Brasil.
- A partir daí, os episódios tragicômicos se sucederam: Bonifácio processou os principais líderes maçônicos e ordenou a prisão de Gonçalves Ledo, mas ele escapou para a Argentina, onde foi recebido com honras pelos dirigentes da maçonaria local.
- Em 3 de maio de 1823, foi instalada a Assembléia Constituinte. Em 7 de julho, foi desfeita a condenação contra os líderes maçônicos e eles puderam voltar. José Bonifácio se afastou do governo em 17 de julho.
- Em 16 de novembro, Dom Pedro dissolveu a Assembléia Constituinte, e Bonifácio foi preso e desterrado para a França, onde ficaria por vários anos. Em fevereiro de 1824, Dom Pedro outorgou a primeira Constituição brasileira.
- Em 2 de julho, o maçom Pais de Andrade, presidente da Junta de Governo de Pernambuco, lançou a chamada “Confederação do Equador”, proclamando a República,  e pediu apoio dos Estados vizinhos. O movimento republicano foi vencido em novembro e seus líderes mortos.  Nenhum carrasco aceitou enforcar Frei Caneca, como queriam as autoridades, e ele teve de ser fuzilado.
- Dom Pedro I abdicou do trono em 7 de abril de 1831, e depois disso o Grande Oriente do Brasil foi reorganizado. Durante um breve tempo, houve então um acordo de paz entre José Bonifácio e Gonçalves Ledo.
- E para quem acha que a Independência foi um episódio protagonizado somente por barbas, bigodes, cavanhaques e suíças, não custa lembrar que Pedro recebeu de sua mulher uma carta que lhe chegou às mãos às margens do Ipiranga, junto com as missivas de Bonifácio. Nela, a futura Imperatriz Maria Leopoldina exortava o belicoso consorte: "O fruto está maduro! Pegue-o antes que apodreça!".
- E enquanto gritava "Independência ou Morte!", Pedro certamente dizia com seus botões: "Sim, querida..."

- Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Independ%C3%AAncia_do_Brasil 
http://www.filosofiaesoterica.com/ler.php?id=412

sábado, 4 de setembro de 2010

Avestruz x Águia


- Setembro de 1944. A bordo do navio norte-americano USAT Colombie, o capitão Fortunato Câmara de Oliveira, comandante da Esquadrilha Azul, buscava inspiração para a sua primeira missão na guerra: a criação de um emblema para o 1º Grupo de Caça. A missão era urgente: breve aportariam na Itália, e todas as outras unidades aliadas já tinham seus símbolos.
- Mas as idéias lhe fugiam. A saudade da comida brasileira inibia-lhe a criatividade. Se ao menos a bóia de bordo não fosse tão intragável...
- Corria entre os brasileiros o dito de que "só mesmo estômago de avestruz para aguentar comida de gringo"... e isso talvez lhe tenha dado alguma idéia.

- Assim teria nascido o avestruz do "Senta a Pua". Se o cardápio de bordo fosse mais palatável aos brasileiros, talvez tivéssemos uma ave mais brasileira e mais voadora pintada nos narizes dos nossos gloriosos P-47 Thunderbolt. 
Harpia ou Gavião Real - Wikipedia
- Hoje, o belicoso avestruzinho já incorporou os valores de tantos heróis que serviram ao 1º Grupo de Caça, e firmou sua honrosa posição na heráldica militar do Brasil. Mas não custa imaginar como seria o emblema se os gringos soubessem cozinhar melhor.
- Entre os muitos candidatos alados tupiniquins, o que me parece prestar-se melhor a representar uma unidade aérea de caça é o nosso Gavião Real.
- É um rapineiro majestoso. Chamado também de Harpia ou Uiraçu, resiste ainda nas florestas tropicais americanas, do México ao norte da Argentina. É o mais pesado e poderoso voador do planeta. Suas garras, maiores que as do urso cinzento, são capazes de exercer uma pressão de 42 kgf/cm², suficiente para esmagar o crânio de um homem.
- Como é comum entre as águias, a fêmea é bem maior que o macho, chegando a pesar 10 kg e a medir 2,5 metros de envergadura. A Harpia é monogâmica e nidifica em árvores muito altas. Suas presas favoritas são mamíferos arborícolas, como macacos e preguiças. Suas asas largas e arredondadas permitem-lhe efetuar acrobacias aéreas entre os galhos, facilitando-lhe a captura da vítima.

Classificação científica
Reino:         Animalia
Filo:            Chordata
Classe:        Aves
Ordem:       Falconiformes
Família:      Accipitridae
Género:      Harpia
Espécie:      H. harpyja
Nome binomial:    Harpia harpyja (Lineu, 1758)

- A Harpia defende ferozmente o seu ninho. Veja o sufoco por que passou um cinegrafista da BBC:
http://www.guardian.co.uk/environment/2010/jul/06/harpy-eagle-attack-cameraman

- E enfim a FAB lhe fez justiça. Equipado com helicópteros H-60L Black Hawk e sediado na Base Aérea Manaus, no Amazonas, o Sétimo Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (7º/8º GAv - Esquadrão Hárpia), realiza Operações Aéreas Especiais, primordialmente de infiltração e exfiltração de tropas (utilizando as técnicas de Rapel, Pouso de Assalto e McGuire), Busca e Salvamento (SAR) e Busca e Salvamento em Combate (C-SAR), tanto na selva como no mar. Assim como o 1º/8º GAv, o Esquadrão Hárpia também realiza missões de apoio social e humanitário com as populações ribeirinhas e indígenas, atuando principalmente nas campanhas de vacinação e de apoio ao Ministério da Saúde.



Emblema do Esquadrão Harpia

- Curiosidades sobre a Harpia:
- Está desenhada no brasão de armas do Estado do Paraná.
- Faz parte do símbolo do 4º Batalhão de Aviação do Exército Brasileiro.
- Serviu de modelo para a criação da fênix Fawkes, no filme Harry Potter e a Câmara Secreta.
- Dá nome ao projeto de inteligência artificial mantido pelo SERPRO.