quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Plágio


Cópia do DNA
   O plágio, muitas vezes considerado o vilão máximo da criação musical e literária, é usado por praticamente todos os poetas - desde os grandes vates universais aos simples bardos menores, como eu (ainda) me considero. E como instrumento de aprendizado e aperfeiçoamento, seu valor é precioso. Se você, que me lê, tem veleidades de cometer suas poesias, não tenha receio de plagiar - mas sempre indicando a fonte que inspirou seu plágio.
   E aqui está uma pequena amostra das inúmeras clonagens que eu - e outros - perpretamos...


Camões - Os Lusíadas:
As armas e os barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana,

Por mares nunca dantes navegados
Passaram ainda além da Taprobana...

   Plágio meu:

As estirpes e gentes afamadas
Que do planalto altivo paulistano,
Por selvas nunca dantes desbravadas
Passaram muito além do Meridiano...


   Petrarca (1304-1374):
Questa anima gentil che si diparte,
Anzi tempo chiamata a l'altra vita,
Se lassuso è quanto esser de gradita,
Terrà del ciel la più beata parte.


   Camões (1524-1580), plagiando Petrarca:
Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente
Repousa lá no Céu eternamente
E viva eu cá na Terra sempre triste.

   E eu plagiei o plágio para dar as boas-vindas à minha primeira seguidora lusitana - a minha querida Amélia, a Alma Inquieta do blog "Estados de Alma" - no meu "post" de 19 de abril - "Lilienthal":

Alma minha, inquieta, que sorriste
A mim num beijo com sabor do Tejo,
Tornando alegre minha alma triste,
Bem-vinda sejas! Tudo te desejo.

   E aproveitei  o embalo para dar as acolhidas ao seu inseparável alter ego literário - o Sergio, do "El Puente" (Argentina):

E tu, que constróis pontes de amizade,
Vencendo léguas, anos e olvido,
Para aliviar meu peito tão sofrido,
Bem-vindo sejas! E fica à vontade!

   Pois não é que hoje, dia 12, ao fazer minha visita habitual à amiga Pat, de "Sincronicidadess",  deparei-me com um belo "Quintana"?! De imediato me inspirou um clone-comentário...



   Mário Quintana:
Não te irrites, por mais que te fizerem...
Estuda, a frio, o coração alheio.
Farás, assim, do mal que eles te querem,
Teu mais amável e sutil recreio...
 

   Plágio meu:
Não exultes, por mais que te elogiem...
Serenamente julga a lisonja alheia.
Distinguirás, assim, aqueles que sorriem,
Dos que te cumprimentam com a boca cheia...

   Pois então... vamos plagiar e imitar os bons!

10 comentários:

  1. Barcellos,
    Você não imagina como me sinto aliviado em saber que até os grandes plagiaram. Eu plagiei alguns textos, mas sempre indiquei as fontes de meus plágios. Quanto a poesias, quero fazer uma confissão: Desde meus tempos de FAB cometo uns "Hai Kai" bem sem-vergonhas que não publico jamais. Gosto de me considerar poeta, mas não tenho coragem de mostrar o produto de minha mente "lírica" para ninguém. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  2. Amigo Bruxo Barcellos "o plagiador" dos bão....

    To contigo amigo véi, Sô adepto do Genérico dos quais em muito já fiz uso apenasmente transformando em algo mais com a cara do Xipan Zeca.... rsss

    Parabéns seu moço....
    fapt sem malicia
    Tatto

    ResponderExcluir
  3. Olá Rodolfo,

    a tua primeira seguidora lusitana emocionou-se a ler-te, sabias?
    Hoje estou com a sensibilidade à flor da pele, porque faz amanhã um ano que o meu sogro me deixou...:(
    Não imaginas como me fez bem ler o teu plágio que a mim... sabe a original.

    Um beijo e muito obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  4. Olá, moço plagiador de obras alheias e multiplicador de emoções. Bacaninha sua sensibilidade em homenagear seus amigos. O resultado dos plágios, incrível como sempre és.

    Beijos!
    Cuide-se!

    ResponderExcluir
  5. Tô começando a acreditar que tô na turma errada... carecendo inté de dicionário para fazer a diferença... e depois de tão afetuosa e merecida homenagem - com "plágios" líricos - revestida dos meus poderes de batismo (Rainha) o nomeio, consagro Bruxo Vate de nossa blogosfera! E tenho dito.
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  6. Que lindo você... és um plagiador do bem!

    Obrigada imenso por tuas palavras sempre especiais, teu olhar certeiro no meu canto de devaneios.

    Um beijo com todo carinho.

    ResponderExcluir
  7. Até para plagiar é preciso ter capacidade...
    Nem plagiando eu conseguiria fazer versos como os mostrados acima.
    Mas, afinal, nada se cria, tudo se copia...
    Êpa! Estou plagiando Lavoisier!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ficou show!
    Boas energias
    abraços
    Mari

    ResponderExcluir
  9. Rodolfo


    obrigada pelo carinho....

    Tô feliz....

    obrigada...sempre


    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  10. Não são plágios, são inspirações e influencias poéticas... Eu me inspiro em todos voces, sempre.
    Beijos.
    Vou ali em Re, ver o que se assucede...

    ResponderExcluir