sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Origens

     Antes de prosseguir com esta série natalina, permitam-me dar a nossa amiga Marcia os parabéns pelo transcurso de seu natal particular (ontem):



Quando o Arqueiro escolhe bem em sua aljava
Dentre tão belas, a mais perfeita seta,
A de pluma mais alva, a de haste mais reta,
E tange o arco forte, lançando-a ao ar,

Não creias que seu tiro outro alvo visava
Senão o coração da musa predileta,
Aquela que em versos canta este poeta,
A que em oceanos faz o seu pensar.

E acertará a flecha o ponto desejado?
Sim! Ei-la que fulge ao Sol, e em vôo acelerado
Vai mergulhar nos pensamentos desse mar;

Pois hoje, estando Apolo em pleno Sagitário,
Recebe, Marcia, estas flores de Aquário,
Porque hoje é teu dia! Vamos festejar!
*  *  *  *  *

     As festividades natalinas têm,   basicamente, duas origens principais, mais ou menos como um rio formado pela junção de dois afluentes, ou formadores: as fontes cristãs e as fontes pagãs. As cristãs são facilmente identificáveis: são os evangelhos canônicos de Lucas e Mateus e as profecias judaicas sobre a vinda do Messias. Já as raízes pagãs são muito mais diversificadas e multiformes. A maioria destas vem direta ou indiretamente dos milenares festivais do Solstício.
     Mas como se originaram estes rituais antiquíssimos? E o que, exatamente, é o Solstício?
     No dia 21 de Dezembro o Sol, na sua marcha aparente pelo céu, passará exatamente a pino, na vertical do trópico de Capricórnio, vindo do norte. É o limite máximo da excursão solar rumo ao Sul: após deslizar sobre o trópico, o Sol volta a se afastar lentamente, em busca das paragens do Norte.
     Os solstícios assinalam o início dos invernos e dos verões. E na velha Europa, berço da cultura ocidental, gelada e escura no outono, o Solstício de Inverno sempre foi festejado como o momento em que o Sol moribundo, perdido nos confins do meridião, começa a se reerguer no céu.
     Sim, ainda passarão semanas antes que o astro-rei tenha forças para vencer o frio e as trevas, mas cada dia que passa é mais longo e mais claro que o anterior, reacendendo as esperanças de colheitas próximas e abundantes. Não admira que as antigas comemorações pagãs de dezembro tenham se espalhado pela Europa e, incorporadas às festas cristãs, chegado às colônias, mesmo ao sul do Equador, perpetuando tradições que são no mínimo estranhas nesta época, para nós, de calor.
     Que o digam os papais-noéis em suas roupas quentes, os pedacinhos de algodão ou isopor imitando neve nos presépios e árvores de Natal, a preferência por pinheiros para a árvore, o conteúdo altamente calórico da Ceia de Natal, o hábito de consumir nozes, avelãs, amêndoas - frutos caducos secos, os únicos que estavam disponíveis nos invernos europeus de séculos passados... a lista não tem fim.
     Muitos desses costumes vieram das festividades pagãs e foram absorvidos pelo Cristianismo - alguns por um processo natural de sincretismo, outros por  ação intencional da autoridade eclesiástica. Vejamos alguns exemplos:
 


     A Saturnália era uma festividade romana dedicada a Saturno. Era celebrada entre 17 e 23 de Dezembro. Os rituais incluíam  grandes banquetes, sacrifícios, às vezes orgias. Durante os festejos a própria ordem social era subvertida: os escravos adquiriam temporariamente a liberdade e como homens livres se comportavam; sorteavam entre si um "princeps" - uma espécie de caricatura da classe nobre - ao qual entregavam todo o poder.
     Mas prevalecia sempre o caráter religioso da festa.  O "princeps" geralmente usava uma máscara e trajava uma capa ou manto vermelho (a cor dos deuses), personificando Saturno ou Plutão - os senhores dos infernos - para conjurá-los a se recolherem a seu mundo subterrâneo, permitindo a volta do Sol.
     No século III, a unificação religiosa do imenso Império Romano tornara-se uma necessidade premente. Era impossível evitar conflitos entre inúmeros povos de origens, culturas e religiões diversas. Esse processo iniciou-se por volta de 200 d.C., com Heliogabalo e sua tentativa fracassada de instituir um culto artificial ao Sol Invictus (que mais tarde fundiu-se com o Mitraísmo). Aureliano conseguiu restaurar o culto, com um caráter mais ecumênico, em 270 d.C.;  e o processo culminou com Constantino, que elegeu o Cristianismo como padrão - exatamente por seu caráter universalista.
     Mesmo assim, Constantino teve que permitir que vários costumes pagãos fossem incorporados às festividades cristãs, para poder proibir, sem muitos protestos, a Saturnália e outras manifestações semelhantes.
     O Mitraísmo teve um papel aglutinador muito forte, pois era o culto preferido nas legiões romanas. E 25 de Dezembro era o dia em que se celebrava o nascimento de Mitra. Não se sabendo com certeza a data exata do nascimento de Jesus, a opção mais viável foi celebrar o Natal na mesma data, para facilitar a absorção do Mitraísmo pelo Cristianismo. Em

http://jeocaz.wordpress.com/2009/02/26/a-origem-do-natal/
ficamos sabendo que os rituais dos celtas também tiveram influência nas festividades cristãs, quando de sua absorção pelos Romanos, por volta de 400 d.C. Nas ilhas Britânicas, as festas do Solstício eram celebradas pelos druidas em Stonehenge e outros circos megalíticos, que marcavam a trajetória do Sol ao longo do ano. O Imbolc era celebrado no dia 1º de fevereiro; o Samhain, festa dos mortos, em 1º de novembro. Aos celtas devemos, também, em boa parte, a nossa árvore de Natal, costume derivado dos rituais druidas referentes às árvores sagradas.
     Na Mesopotâmia, as comemorações da volta dos dias longos a partir do Solstício de Inverno, eram celebradas durante doze dias. O mesmo Solstício relembrava no Egito antigo, a passagem do deus Osíris para o mundo dos mortos. Na Grécia o Solstício marcava o culto a Dioniso, deus do vinho e da embriaguez.
     Ainda hoje, é possível notar o caráter universal e ecumênico da festa. Embora os fiéis mais espiritualistas condenem essas manifestações exteriores, foram elas que permitiram a expansão vertiginosa do Cristianismo na Idade Média.
     E mais uma vez, permitam-me desejar a todos - cristãos ou não, crentes ou agnósticos um...
... Feliz Natal!



Próximo artigo desta série: A estrela - 10/12.

37 comentários:

  1. Parabéns Barcellos, fico muito contente e privar de tua amizade e poder usufruir desse vasto conhecimento que ilustra as coisas. Depois da tua série natalina, nenhum natal será o mesmo. Ousei classificá-lo como polímata, agora emendo: você é O POLÍMATA. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  2. Barcellos... Bruxo da Cultura... Meu mestre amigo e parceiro "Grato pela oração lá no Altar amigo véio" Deussskiajude nóis....
    Bão, mas falando de Natal, tudo muito esplicadinho e culturalmente impecável...
    Devo dizer que meus ancestrais cultuavam o Macacacionísmo onde pareceia mais um Carna-cacus... e também sou adepto do culto a Dioniso, deus do vinho e da embriaguez...hic, hic.. hic..
    Forante as brincadeiras... Magnífico post como sempre ... rss

    Um forte abraço
    Tatto

    ResponderExcluir
  3. Que delícia ler o seu texto... Quantas histórias se escondem por trás de uma comemoração, não!?!
    Post maravilhoso.Parabéns e feliz natal para vc também, querido.

    Acho que não disse ainda, mas adorei conhecer o seu blog...

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Hola Amigo Rodolfo,

    precioso post que es una fuente de conocimiento.

    Para ti y tu familia deseo FELICES FIESTAS.

    Un abrazo argentino,

    Sergio.

    ResponderExcluir
  5. Vou te contar...posso? Sou uma ignorante mesmo!!! Mas sempre é tempo de ganharmos AMIGOS eruditos assim... Tirando a parte do solstício (que amanhã com a lua cheia faz o Divã ficar, mais ainda, de cabeça prá baixo rsrs)não conhecia essas raizes nauuummmm. Carece pedir permissão não...de minha parte só tenho que lhe agradecer por nos presentear com tanto conhecimento. NATAL FELIZZZZZ procê e prá todos os seus amados!!!
    Respondendo à pergunta: às vezes, bem antes do blog, filhote me mostrava e eu guardava numa "pasta" criada por ele (of course rsrs). Pós blog (sem tempo suficiente prá fuçamento) recebo dos amigos, que sabem bem do meu encantamento pelas artes e criatividade (e alguns tb arquivo na tal pasta).
    Beijuuss n.c.

    ResponderExcluir
  6. Que bom que tenho Regina, a moça do Divã, pra ser ignorante junto comigo, embora isso seja conversa fiada da doutora. Ela é pura cultura.

    Quanto a ti, Senhor Barcellos, me resta louvar a mais uma postagem cuidadosa, esmerada, um texto limpo... Bom demais de ser lido.

    Boa semana, amigo bruxo mais querido.
    Carinhos!

    ResponderExcluir
  7. Barbaridade, amigo!
    Que salada de frutas de culturas, crenças, solstícios e equinócios!
    Mas isto mostra que, por diferentes eventos desde os astronômicos até aos terrestres, esta data acabou sendo uma espécie de unificação, passando a coincidir com o nascimento de Cristo, mesmo que na marra!
    Seja como for, qualquer pretexto serve para desejar a todos as benesses de um feliz natal...
    Pelo menos podemos sonhar com um pouco de paz, saúde e harmonia, e por que não prosperidade, para nossos amigos...

    ResponderExcluir
  8. Eita lasqueira!Agora, sim, heim... O que a eclésia é capaz de fazer, tudo em nome do "Religare".

    Mas, como Leonel disse, qualquer motivo que seja, serve, para desejar TUDO DE BOM, para que se gosta!

    **Saturnália (Durante os festejos a própria ordem social era subvertida: os escravos adquiriam temporariamente a liberdade e como homens livres se comportavam; sorteavam entre si um "princeps" - uma espécie de caricatura da classe nobre - ao qual entregavam todo o poder.)

    ME LEMBRA O CARNAVAL...Mas, isso já é outra história!

    Parabéns!
    Como é bom aprender com você.
    Bj!

    ResponderExcluir
  9. Só posso dizer uma coisa: "Rodolfo também é cultura!" ... e muita... rs

    ResponderExcluir
  10. Rodolpho seu lindo!!! A lenda encaixou perfeitamente no texto..Lia cada linha com um sorriso descarado na cara... Que comentário mais pertinente, ADOREI!!

    Ps.: Logo eu que adoro chuvas!

    ResponderExcluir
  11. Poxa, camarada, tu entende mesmo do babado heim!

    Acabei de ter uma aula fantástica!

    Muitas coisas eu já tinha ouvido falar, porém, nem todas.

    Mas, embora sejam muitas as tradições, crenças, lendas e dogmas, pagãs ou cristãs que colaboraram para que se tenha as comemorações natalinas, creio eu que quem melhor tem se aproveitado de toda essa cultura milenar hoje em dia são os grandes porcos gordos do capitalismo, estes sabem mesmo como fazer uso de crenças populares em prol de si mesmos e fazem isso até bem melhor que a igreja católica.

    Um abraço! Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  12. Eiiii Bruxo, amado! E aí como está a lua por suas bandas??? É a mesma que brilha por aqui,brilha por aí, né? Seguinte: já que ocê não desistiu da sua BIOS predileta rsrs, consegui hj localizar no Divã o que gostaria de fazer... Vai na postagem do dia 25/09/10 "Notícias do ET" (velhinhas GRAÇAS a ELE!!!) e nos comentários leia o da Denise (irmiga minha) e veja lá que ela consegue fazer um "link" que direciona pro blog dela! O que quero é fazer isso num comentário que te direcione, por ex, diretamente pró artigo do presépio ou outro qualquer. Intendéu?rsrs A Dê tá viajando (deve voltar por esses dias)por isso ainda não perguntei prá ela...
    Beijuuss, lunáticos, n.c.

    ResponderExcluir
  13. BOA NOITE AMIGO!

    Sensacional, fantástico, maravilhoso e todos os adjetivos do mundo p/elogiar o seu texto seria pouco. Parabéns! Estou encantada!

    JÁ ESTOU TE SEGUINDO...

    Apareça lá no meu cantinho, viu?

    BOM DEZEMBRO E FIQUE COM DEUS!!!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns à Márcia. Outro mimo delicioso esse seu poema.

    Fale pra Regina que a Dê já viajou e voltou umas mil vezes desse dezembro pra cá.

    Muito boa a ideia em repostar essa série, bruxo natalino. Beijos... E eu também te gosto um tanto bem grandão.

    ResponderExcluir
  15. Ótimo texto como sempre Rodolfo, eu aqui convivo com muitos pagãos e já fui a algumas comemorações de solstício deles inclusive, gostava do alto astral das cerimônias sempre muito legal, abração Rodolfo e tem podcast novo passa por lá se puder :-)

    ResponderExcluir
  16. Barcellos,
    Então ficamos assim: você põe a publico tua cultura multifacetada e nós bebemos no "Sete Ramos". Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  17. Meu lindo obrigada !!Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  18. Chega a ser cômico ler nossos comentários de um ano atrás... Quanta coisa aconteceu...Quanta água rolou...Aí me lembrei que vc me ensinava essa arte das tags. E voltando no tempo, descubro que vários vídeos foram desautorizados (snif snif)mas não este que faz sentido ao que escrevi acima em resposta a você!
    Bem,mudando o rumo da prosa e já em 2011 PARABÉNS a Márcia e que seu natal particular seja abençoado!
    Beijuuss, Bruxo, n.a.

    ResponderExcluir
  19. Amigo Querido,

    Como sempre digo: é tão bom aparecer por aqui amigo!
    Sempre saimos com uma bagagem nova, sempre nos ensina algo ...
    Faço coro com nosso amigo Leonel!
    Beijinhosssssssssssss

    ResponderExcluir
  20. A Regina tem razão... gostei de ver a Sandra de hoje "fazendo coro" com o Leonel de um ano atrás...
    Mas brincadeiras à parte, continuo agradecendo os comentários elogiosos - recentes e antigos. Obrigado.

    ResponderExcluir
  21. Amei ler tudo isso Barcellos!!

    Boa noite!! Uma noite importante que antecede o domingo do advento....

    ResponderExcluir
  22. Olá.Essa é minha primeira visita ao blog.Vi seu link em outro blog e resolvi vir conhecê-lo.Adorei seu blog e já estou lhe seguindo.Seu blog é muito bem organizado e suas postagens muito bem elaboradas.Te convido a conhecer meu blog e segui-lo também.Aguardo sua visitinha!
    Bjs!
    Zilda Mara
    http://www.cacholaliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Super Post!, Adorei!

    A primeira vez que ouvi falar em Solstícios, foi em um filme chamado Equinócio...e explicava os dias longos nos solstícios de verão e inverno...e se equacionava nas outras estações. Adoro tudo isso!
    A.

    ResponderExcluir
  24. Uma bela semana pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderExcluir
  25. Olá meu amigo!!

    Antes de mais nada...fico encantada sempre que recebo voce no meu blog.
    Cada comentário eu me sinto uma verdadeira musa.
    E acredite.... suas palavras e de outros amigos sempre tão gentis comigo me faz querer fazer sempre o melhor que eu posso.

    A Marcia é uma querida.. e digna do poema que voce fez a ela. Imagino a alegria com que ela o recebeu.
    E obrigada por nos brindar com a história do natal. Com tanto esmero, tanto capricho!!

    Um bj..e semana de paz a vc!!!

    ResponderExcluir
  26. Essas postagens que têm feito me trazem conhecimento. Você vai ao fundo e mostra as raízes, de forma didática e perfeita, além de impecável na escrita.
    Sempre se torna merecedor de aplausos, que torno ainda mais calorosos, pelos comentários que me deixa.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  27. É, amigo, acho que fico com o meu comentário aí de cima...
    É aquilo mesmo!
    Abração!

    ResponderExcluir
  28. vamos amigo juntando tudo e construindo o sentido do natal, montando no coração a manjedoura que espera e acendendo as velinhas da luz de Cristo....e assim o natal recomeça a cada ano na fé e na esperança que fortalecemos em nós e no próximo.
    Que o advento nos faça MAIS em Cristo!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Belissimo texto amigo!
    Maravilha passar por aqui e ler coisas tao interessares


    Beijos!

    FELIZ NATAL!

    ResponderExcluir
  30. NA REALIDADE VOCE SABE QUE EU TENHO DUVIDAS DE TUDO SABIA?
    TUDO QUE ESTUDAMOS TUDO QUE NOS ENSINARAM TUDO QUE APRENDEMOS NA ESCOLA NO CATECISMO COM NOSSOS PAIS ENFIM TUDO QUE VEM NOS CONTAR SOBRE RELIGIÃO FICO SEMPRE SEM SABER E JÁ RESOLVI DEIXAR PARA QUE UM DIA EM OUTRA DIMESÃO ALGUEM ME CONTE O QUE REAL DE FATO ACONTECEU E O QUE QUISERAM DIZER NA BIBLIA OU EM OUTROS ESCRITOS SOBRE TUDO PRINCIPALMENTE SOBRE O NATAL
    POR HORA FICO NA MINHA VERSÃO QUE TRAGO DE CIRANÇA..
    DIA DO NATAL É O ANIVERSARIO DE JESUS FILHO DE DEUS ..NESTE DIA AS FAMILIA SE JUNTAM ATÉ OS MAIS DISTANTES E TUDO PARECE SER FELICIDADE...
    AS COMIDAS ESTÃO NA MESA SEJAM ELAS RICAS OU POBRES ..A NOITE UM SENHOR DE VERMELHO DEIXA O PRESENTE NA ARVORE MESMO SENDO UM SIMPLES PRESENTE E A NOITE É POR DEMAIS MÁGICA ..E UM DETALHE NUNCA JAMAIS PODEMOS DEIXAR DE ESQUECER ..
    DIVIDIR ..SER SOLIDARIO E DAR A ALGUEM A ALEGRIA DE TER UM NATAL TAMBEM ...
    CARTINHAS NO CORREIO ....CESTA BOAS DE NATAL E MUITA ALEGRIA E SOLIDARIEDADE JUNTAS
    A MEIA NOITE CANTAR PARABENS PARA O ANIVERSARIANTE E NO DECORRER DO ANO DAR A ELE A ALEGRIA DE TER ORGULHO DE NÓS, MESMO ERRANDO COMO NÓS POR VEZES ERRAMOS ..
    SER FELIZ NO NATAL E NO ANO TODO TAMBEM
    ASSIM SERIA MEU NATAL ASSIM APRENDI A VIVE LO SOBRE AS TRADUÇÕES DE TUDO QUE SE SE LE..DEIXA PRA LÁ ...UM DIA TEREMOS A RESPOSTA ..
    ABRAÇOS AMIGOS

    OTILIA

    ResponderExcluir
  31. Bonito texto.

    Parabéns.

    E sobre filmes, eu gostaria de gostar mais de assistir filmes, mas não adquiri esse hábito.
    Nara.

    ResponderExcluir
  32. É interessante saber o nascedouro das crenças e costumes que nos incutem, aqui tem leveza na arte do conto que me conta a história...e tem aniversariante pra receber mimos e felicitações (atrasadas tb valem?).

    E tem abraço com carinho pra meu Mago, pra matar a saudade...

    ResponderExcluir
  33. Bom dia meu maracujá de gaveta!
    Sei que aqui respiramos cultura,por isso que venho aqui.Alé de abraçar meu amigo e deixar um xero,ainda me abasteço do desconheçido..
    Desejo um lindo dia todo colorido...
    bjs

    ResponderExcluir
  34. Ola´, amigo.
    Gostei do poema para a Marcia*, 'especial!
    Também me deste uma aula natalina*; "tempo de lembranças, pra mim...Não festejo*, tenho meus motivos, apenas ponho na mesa um panetone(o pão) e uma garrafa de vinho(o sangue), pois assim me lembro *Dele; beijoos da carioca Mery*, só hoje percebi que és do RJ, PERTO DE MIM.
    Bons dias de dezembro e muita paz.

    ResponderExcluir
  35. Otília, comentando teu comentário:
    "Eu tento manter sempre minha fé em minhas dúvidas" (Fala da abadessa em "A noviça rebelde").
    Essa é a boa dúvida - a que nos mantém curiosos e "acesos" como um cãozinho farejador e desconfiado perante tantos cheiros diferentes que perpassam no pequeno pedaço de mundo alcançado pelo nosso olfato - sensível, mas limitado.
    E a todos os que me dão a honra de sua visita, comentando ou não, meu muito obrigado. Abraços.

    ResponderExcluir
  36. Deixei meu comentário lá no seu TEMPO (rss).
    Seu texto ficou emocionante.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  37. Oi minha lembrança!
    Boa noite com esperança!
    :D

    ResponderExcluir